Todas
ELÉTRICA
Multimídia
Carregadores USB
Tomadas Elétricas de Painel
Cabeamento Estruturado
Infraestrutura de TI
Tampo de Mesa Caixas
Quais são as normas para Produtos Elétricos usados em Infraestrutura de Estações de trabalho?

 

A Norma ABNT NBR 16008: 2011 - Especifica os requisitos mínimos para Extensões Elétricas. Essa norma é baseada na norma IEC 60950-1:2012 que trata da segurança dos equipamentos de TI e escritório. Essa norma IEC, existe desde 1985. Temos que entender que sistemas elétricos em estações de trabalho são "Extensões Elétricas".

O que é Cabeamento Estruturado?

Cabeamento estruturado, também conhecido pela sigla KET, é a disciplina que estuda a disposição organizada e padronizada de conectores e meios de transmissão para redes de informática e telefonia, de modo a tornar a infraestrutura de cabos autônoma quanto ao tipo de aplicação e de layout, permitindo a ligação a uma rede de: servidoresestaçõesimpressorastelefonesswitcheshubs e roteadores. O sistema de cabeamento estruturado utiliza o conector RJ45 e o cabo UTP como mídias-padrão para a transmissão de dados, análogo ao padrão da tomada elétrica que permite a alimentação elétrica de um equipamento independentemente do tipo de aplicação. WIKIPÉDIA.

Porque evitamos fornecer conectores RJ 45 nos nossos produtos?

Podemos fornecer com RJ45 -cat5e Marca Soho Plus – Keystone, acontece que cabeamento estruturado (rede de dados e voz) é uma área com muita normatização e cheia de detalhes, por exemplo o cliente deve usar o cabo da mesma marca e categoria do conector, tudo regido pelas normas EIA/TIA-568 . Clientes de porte tem próprio sistema determinado por suas necessidades de trafego e velocidade.

Se o cliente vai comprar o cabo, na mesma loja vende o conector. Conectores RJ45 e cabos tem categorias 5e, 6 e 6 A as mais usadas.

O importante é que o corpo do conector seja padrão de mercado que é chamado de Keystone. Se seu cliente for usar um conector não Keystone (anexo), tempos que mudar os espelhos removíveis.

Porque usar conector RJ 45 fêmea para telefone (voz)?

O Sistema de Cabeamento Estruturado das Corporações, que é regido pelas normas TIIA, recomenda como padronização o uso do conector RJ 45 fêmea, tanto para dados (rede), quanto para voz (telefone). O conector RJ 45 fêmea é compatível com RJ 11 macho.

Quais são as marcações mínimas que a etiqueta de nossos produtos para TI deve ter?

Corrente Nominal (ou Máxima)–representada em Ampére cujo símbolo é [A] – As correntes permitidas são: 6 A, 8 A, 10 A, 16 A e 20 A. Tensão ou Voltagem Nominal (ou Máxima)– representada por Volt cujo símbolo é [V] e no nosso caso será, quando o produto for padrão, não tiver componentes especiais, 250 V e para indicar corrente alternada colocamos o símbolo [~]. Escreveremos “Tensão Nominal máxima 250 V ~ ”

Como são os Plugs (macho) ABNT NBR 14136 em cabos de força.

A norma ABNT NBR 14136 prevê duas Amperagens para plugs: 10 e 20 Amperes.

O plug de 10 Amperes não permite dimensional mente à conexão de cabos de 2,5 mm².

Então quando solicitado produtos com plug na ponta do cabo especificar,

qual Amperagem Nominal o cliente quer que produto tenha:

 

10 Amperes – Usar cabo de força de 1,00 mm² ou 1,5 mm² com plug de 10 Amperes

15 Amperes – Usar cabo de força de 1,5 mm² .......................com plug de 20 Amperes

20 Amperes – Usar cabo de força de 2,5 mm²........................ com plug de 20 Amperes

O que é tomada de aparelho ou painel?

O tipo de tomada adequado para equipamentos é a Tomada de Painel ou de Aparelho que monta em um rasgo em uma chapa metálica, normalmente de aço. Existem dois tipos básicos de tomadas de painel com relação ao corpo: tomadas de poço externo e tomadas de poço interno. Poço é a parte da tomada que suporta o corpo do plug macho e é projetada para prover segurança ao utilizador, impedindo contato nos terminais durante a inserção.

Qual unidade identifica os cabos e cabinhos elétricos?

A unidade é mm².

A corrente elétrica que percorre um cabo elétrico percorre na área do mesmo, isto é quanto maior a área, maior a corrente nominal que um cabo pode admitir. Portanto para identificar sua capacidade devemos especificar em unidade de área [mm²] e não no diâmetro [mm]. Lembrando a fórmula da área de um círculo A [mm²]= 3,1416 X D ²[mm]/4. Então por exemplo aplicando a fórmula a um cabo rígido com área de 2,5 mm² o mesmo tem um diâmetro de 1,78 mm.

Por que não fabricamos caixas push-pull (com molas e amortecedores)

As caixas com abertura automática ou similar chamamos de push-pull.

Há anos atrás, por incrível que pareça a primeira caixa que iríamos desenvolver seria uma caixa push-pull, depois abandonamos o projeto por diversas razões: preço, investimento e principalmente confiabilidade.

Nossa política atual com relação a caixas para tampo de mesa é fornecer produtos com vida de 10 anos  e que tenham a pequena desvantagem do usuário gastar pouquíssimas calorias através da energia despendida pelo (s) dedos(s), para abrir a tampa.... Isso porque ainda não conseguimos um projeto com estilo e com robustez suficiente para ter vida longa. Quando você envolve: molas, travas tipo mini-latch, mola a gás, etc., você encarece o produto  e a não ser que esses itens sejam bem projetados, a vida do produto é pequena, e os defeitos aparecem logo. Não adianta por exemplo colocar uma mola gás barata da China pois a possibilidade de problemas será grande. Mesmo assim estamos trabalhando numa ideia  que seja: bonita, barata e principalmente com MTBF alto, ou seja que tenha pouca possibilidade de falhas ou quebra. Esses produtos normalmente têm peças de plástico que requerem alto investimento inicial e que se não forem utilizados “plásticos técnicos” adequados podem falhar em curto tempo por estresse, desgaste, mau dimensionamento ou por trincas.

Atualmente estamos preferindo fazer produtos em aço, com peças em corte laser, com solda TIG, que são muito confiáveis e delicadas, e produtos esses que tenham vida longa, que possam ser customizados em pequenos lotes para diversos clientes, não precisando assim de investimentos específicos em ferramentais para cada caso, pois as vezes os lotes são pequenos e dirigidos por exemplo para concorrências. Nos diferenciamos também pelo atendimento ao cliente e pela customização variada e rápida, o que não é o caso das caixas push-pull existentes no mercado. Hoje nós recomendamos aos clientes caixas em aço, pois a tecnologia das caixas para tampo de mesa não está nas molas e na parte metálica e sim nas especificações da estrutura, para que o produto elétrico funcione com segurança, dentro das normas, nós somos pioneiros nisso. Alguns clientes ainda tem a mentalidade do estilo e do automatismo, sem conhecer as necessidades de segurança, principalmente da norma ABNT NBR 16008, obrigatória no Brasil.

 

Porque nossos produtos não têm BLOCOS?

Algumas caixas para tampo de mesa do mercado são anunciadas por exemplo “Caixa de Mesa de 6 blocos”, em que esses blocos podem ser de Energia ou de Conectividade. Ora as normas são claras, o compartimento elétrico tem que ser selado, fechado, aterrado, etc. As normas de Conectividade não permitem proximidade de circuito elétrico do circuito de rede ou Telecom. Os quadros elétricos de baixa tensão já têm essa mesma normatização há muitos anos.

Não é correto a caixa de tomadas ser modulada misturando Elétrica com Conectividade. O circuito elétrico tem que ser fornecido de fábrica lacrado.

Nossas caixas são fornecidas com sistema elétrico em compartimento fechado, aterrado e pronto para ligação elétrica, 

Quais são as Normas para produtos Elétricos de TI?

Nossos produtos são na maioria Equipamentos para Tecnologia da Informação que tem normas técnicas próprias. Muitos engenheiros e instaladores acham que o projeto e a construção dos equipamentos elétricos para TI têm que seguir literalmente a norma “NBR 5410:2004 - Instalações elétricas de baixa tensão”. Primeiro que equipamentos para TI não são “instalações” e segundo que a própria norma NBR 5410:2004 prevê que a construção do equipamento em si, quando tem normas especiais, deve seguir as mesmas. Quando compramos um equipamento eletrônico qualquer os fios e cabos já são dimensionados para a potência instalada pretendida pelo fabricante. A tabela 47 dessa norma prevê que a seção mínima dos condutores de um equipamento específico deve seguir a norma do mesmo. Os produtos SCD podem e são bastante customizados para atender qualquer solicitação extra dos clientes. Os materiais e cabos utilizados nos produtos SCD , seguem as normas ABNT. Temos que ressaltar que a alimentação elétrica de nossos equipamentos elétricos tem que ser feita utilizando-se as recomendações e obrigações da referida norma NBR 5410:2004. 

Quais principais recomendações para Segurança Elétrica?

O ponto mais importante quando do projeto e construção de um equipamento elétrico para TI é a segurança do usuário. Toda superfície metálica que tenha eletrificação deve ser aterrada, há muitos anos por exemplo os fabricantes de máquinas já preveem o aterramento das carcaças das mesmas. Com o decreto lei nº 11.337/06 isso se tornou obrigatório para qualquer equipamento e instalação elétrica de baixa tensão. O Aterramento Elétrico: protege as pessoas contrachoques; protege o patrimônio contra sobrecargas, sobre tensões e curto circuito nas instalações; oferece, para correntes induzidas, um caminho seguro, controlado e de baixa resistência em direção a terra. 
Outros pontos também são importantes: a blindagem ou isolamento de todo circuito elétrico, a fixação correta do cabo de força no chassis e a separação de energia elétrica do sistema de cabeamento estruturado e sinais multimídia. A atual Norma para Extensões Elétricas obrigatória no Brasil é a Norma ABNT NBR 16008.

O que é Keystone?

Quando da compra de um produto para cabeamento estruturado (dados e voz) precisamos definir o tipo de conector RJ45 fêmea (normalmente chamado de Jack) que o usuário vai utilizar. Os conectores mais comuns do mercado têm um CORPO chamado de KEYSTONE, que é como se fosse um corpo padrão. O conector com corpo KEYSTONE tem a vantagem de montar diretamente em um rasgo feito numa chapa metálica, dispensando uso de colares. Existem no mercado conectores que não são KEYSTONE que montam com um colar plástico, o melhor exemplo disso são os conectores SYSTIMAX (AVAYA) que tem colar especial para montagem. Temos que saber qual sistema o cliente vai utilizar para fornecimento correto dos espelhos. O corpo Keystone também é utilizado em vários adaptadores (emendas) Multimídia e USB, em conectores diversos e em carregadores para celular.


No caso do RJ45 o corpo não influencia na categoria, quer 5e, 6 ou 6A. Todos podem ter corpo Keystone.